eu bou falar dos meus amigos
Quinta-feira, 23 DE Maio 2013

Definicao

Fibra têxtil é um material filamentoso que é transformado em fios por meio de um relaçado pelo processo de tecelagem, resulta no material empregado, por exemplo, nas peças de vestuário, roupas de cama e toalhas de mesa e banho.
As matérias- primas filamentosas que dão origem aos fios utilizados pela indústria têxtil podem ser divididas em três grupos:

 

Historia

Embora não se saiba exatamente em que ponto e quando, parece fora de dúvida que a indústria têxtil nasceu no Oriente. O fato de terem sido os chineses os primeiros a cultivar o bicho-da-seda, aliado às descobertas arqueológicas que revelam a existência de remotas plantações de algodão nos vales da Índia confirmam essa hipótese. Por outro lado, entretanto, não se pode assegurar que os primeiros tecidos de seda tenham sido fabricados na China. Tal dedução, a rigor, pertence à esfera da lenda, e não à verdade dos fatos. O que se sabe com segurança é que as mais antigas sedas chinesas datam séc. I A.C., período em que floresceu a dinastia Han. Influenciados pela tradição, esses tecidos exibiam desenhos representativos do gosto popular, como dragões, pássaros e animais. nível de feitura nos tempos da Dinastia Ming (séc. XVI).


Com a chegada dos portugueses, em 1514, teve início uma nova era na tecelagem chinesa, que se impôs definitivamente na Europa. Países como Portugal, Espanha, Inglaterra, França e Holanda começaram a importar em larga escala os produtos têxteis chineses, que com seus dragões, tornaram-se então muito comum no ocidente.
Ainda no Extremo Oriente, muito se desenvolveu a estamparia têxtil em terras japonesas.

Graças sobretudo aos artesãos chineses que aí se estabeleceram nos primeiros séculos da Era Cristã.
Por volta do III milênio A.C. já eram fabricados na Índia os primeiros tecidos de algodão denominados sindhu pelos babilônios e sindon pelos gregos.
No Egito (1.500 A.C.) e na Criméia, então colônia Grega, os tecidos de linho alcançaram notável apuro técnico, chegando mesmo a incluir grande variedade de motivos impressos, como figuras de cavaleiros, animais, deusas, pássaros, flores, guerreiros e muitos outros.

 

Classificação

 

São fibras essencialmente constituídas de celulose, a qual se encontra sempre na natureza em combinação com outras substâncias, sendo a mais comum a lignina. Contêm, também, impurezas tais como gomas, resinas, gorduras, ceras e pigmentos. A análise por raio X mostra que a celulose tem estrutura cristalina, sendo um polisacarídeo de longa cadeia e alto peso molecular. As fibras celulósicas naturais têm regiões amorfas, além de cadeias cristalinas e orientadas paralelamente. Estas últimas se caracterizam por completa desordem. No tingimento de fibras celulósicas os corantes penetram pelas regiões amorfas.
ALGODÃO
O algodão é uma das fibras mais consumidas na indústria têxtil brasileira. A fibra do algodão é extraída da flor de um vegetal do gênero Gossypium. A fibra de algodão é composta de camada de cera, cuticula, parede primária, parede secundária, lumen e resíduos protoplasmáticos.
PROPRIEDADES QUÍMICAS DO ALGODÃO
Os ácidos inorgânicos diluídos à frio não atacam o algodão, porém, se, após a impregnação com estes ácidos, secarmos o substrato, este será danificado fortemente. O ácidos sulfúrico concentrado e em ação prolongada transforma o algodão em compostos solúveis como a dextrina. O algodão pode ser fervido em soluções alcalinas sem ser prejudicado, sendo, porém, recomendável a eliminação do ar. A fervura em banho alcalino na presença de ar pode enfraquecer a fibra pela formação de oxi-celulose. 
O algodão, quando tratado à frio em uma solução de NaOH 30ºBé, se torna semi transparente, com estrutura arredondada quando visto no microscópio e encolhe muito no sentido longitudinal. A fibra entra em combinação com o álcali formando o composto denominado álcali-celulose:

Propriedades

 

A concepção de um artigo têxtil começa com a selecção da matéria-prima fibrosa

que lhe vai dar origem. As diversas famílias de fibras têxteis em geral e cada uma

das fibras em particular possuem propriedades específicas que as definem,

tradicionalmente, como as mais aptas para determinados fins. Contudo, hoje em

dia, devido ao desenvolvimento de novos materiais; à contínua evolução ao nível

da construção de novas estruturas de pontos, novos fios, novos produtos de

acabamento, novos processos de ultimação e de acabamento; ao fabrico de novas

fibras, como por exemplo da liocel; ao desenvolvimento de variantes nas fibras

convencionais, como por exemplo fibras de baixo pilling, fibras anti-estáticas, fibras

com tingimento diferencial, fibras ignífugas, fibras anti-sujidade, fibras antimicrobianas, fibras anti-fungos, microfibras, fibras ocas, etc.; e especialmente

devido às exigências da moda, levou a uma alteração do conceito da "existência de

uma fibra mais apta para fazer um determinado produto".

Por tudo isto, é de extrema importância o perfeito conhecimento das propriedades

morfológicas, físicas e químicas das fibras têxteis, uma vez que são o primeiro

elemento de decisão na concepção de um artigo têxtil, pois é em face das

propriedades das fibras que é seleccionada ou limitada a sua utilização. Por outro

lado, são também as propriedades específicas de cada fibra que definem as

máquinas que são utilizadas na sua transformação, a natureza dos tratamentos e

os produtos que são utilizados

aplicações

 

 

 

Desde sempre o homem teve a necessidade de proteger o seu corpo das intempéries e recorreu as folhas de plantas e às peles de animais que caçava. Começou por usa-las directamente, fazendo-lhes algumas perfurações, para as ajustar ao seu corpo de uma forma confortável. Com a sua evolução, descobriu que podia transformar esses materiais e obter outros. Recorreu então, ao linho e ao algodão (fibras vegetais), transformou-os em fio e apercebeu-se que entrelaçando dois fios, perpendiculares entre si, criava um tecido.

Actualmente as fibras têxteis são uma constante no nosso quotidiano, desde o vestuário, mobiliário, tapetes e toalhas.

 

Vantagens e desvantagens

 

A origem da palavra plástico vem do grego plastikós, que significa adequado à moldagem. Plásticos são materiais formados pela união de grandes cadeias moleculares chamadas polímeros que, por sua vez, são formadas por moléculas menores denominadas monômeros. Os plásticos são produzidos através de um processo químico conhecido como polimerização, a união química de monômeros que forma polímeros. Os polímeros podem ser naturais ou sintéticos. São polímeros naturais, entre outros, algodão, madeira, cabelos, chifre de boi, látex. Estes polímeros são comuns em plantas e animais. São polímeros sintéticos os plásticos, obtidos através de reações químicas. O tamanho e estrutura da molécula do polímero determinam as propriedades do material plástico.

 

 

Fontes: http://plastico-fibrastexteis.blogspot.pt/2010/08/tipos-de-fibras.html

http://everaldoaparecidomaciel.blogspot.pt/2009/05/historico-do-tecido-e-fibras-texteis.html

http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Classifica%C3%A7%C3%A3o-Geral-Das-Fibras-T%C3%AAxteis/135470.html

http://www.manuelrei.com/userfiles/file/Curso_Fibras_Convencionais.pdf

http://www.eb23-gervide.rcts.pt/evt/texteis.htm

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/plasticos/plasticos-6.php

método chamado fiação. Um conjunto desses fios, quando regularmente ent 

 

trabalho elavorado por ricardo covas 

publicado por ricardocovas às 14:51
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
blogs SAPO